2020: o ano em que nossa vida virou digital

Share:

Como a pandemia tem transformado os modelos de negócios e o comportamento do consumidor


O ano de 2020 está na reta final e, inegavelmente, ainda será lembrado por muito tempo. Logo no primeiro trimestre, com a declaração da pandemia do novo coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS), nossa vida mudou radicalmente, culminando em uma realidade então denominada de “novo normal”.

Claro que o tal “novo normal” trouxe inúmeras dificuldades, como o isolamento social, o desemprego em massa e hospitais lotados. No entanto, algo que marcou 2020 foi a necessidade de adaptação e, consequentemente, uma transformação digital sem precedentes. Passamos a trabalhar, estudar, fazer compras e nos exercitar por meio do computador ou do smartphone.

Levantamento do IAB Brasil, associação de desenvolvimento do mercado de mídia interativa no país, mostrou que em 2020 nossa vida virou digital. O Brasil passou duas vezes mais tempo na internet do que a média global, o e-commerce bateu recordes, podcasts mostraram sua potência e vídeos se consolidaram como um poderoso canal de informação.

Para Frederico Pompeu, head do boostLAB (hub de negócios e potencialização para empresas de tecnologia do BTG Pactual), a pandemia trouxe um avanço muito significativo na transformação digital e nos modelos de negócios, evidenciando uma mudança forte no comportamento e na maneira como as pessoas consomem. “Esse impacto é irreversível, não só pela forma como as pessoas passaram a se relacionar e a comprar, mas também pela forma como passamos a tomar crédito ou investir os nossos recursos”, comenta o especialista.

Mudanças nos negócios

Pompeu afirma que até o final do ano passado, o investimento em canais online e e-commerces era considerado diferencial para uma empresa levar vantagem competitiva, quando comparada aos seus concorrentes e outros pontos de venda.

“Atualmente, quem não possui venda online, simplesmente não vende. Saiu na frente quem já havia priorizado esse processo antes, mas hoje não existe a opção de não vender de forma online também”, ressalta. Segundo o IAB Brasil, 86% dos brasileiros com acesso à internet fizeram compras online, o que aumentou consideravelmente o número de transações no e-commerce.

Outros benefícios dessas inovações para o mercado foram a economia de custos e o aumento da produtividade. As empresas perceberam que precisam focar cada vez mais nos seus clientes, afinal, eles são os verdadeiros patrões. “É um caminho sem volta, que interfere diretamente no hábito de consumo das pessoas. O que já ocorria na China há muitos anos, e que a Amazon popularizou nos Estados Unidos através do Amazon Prime, começou a acontecer por aqui também. Muitas vezes será mais rápido e barato comprar um produto pela internet e recebê-lo em casa do que ir até uma loja para comprá-lo”, pontua o especialista.

Mudanças no comportamento das pessoas

O head do boostLAB acredita que ficamos mais práticos e diretos. “Antes, se eu marcasse uma reunião presencial com você e atrasasse 15 minutos, era um tempo aceitável. Hoje, quando marcamos uma videoconferência, se alguém atrasa mais de um minuto já tem que entrar se desculpando”. 

Outro ponto interessante é a forma como estamos nos divertindo e nos informando. “O consumo de streamings e de e-sports simplesmente explodiu”, lembra Pompeu. Ainda de acordo com dados do IAB Brasil, 93% dos brasileiros assistiram a vídeos online semanalmente e a audiência de podcasts aumentou 200%.

Pompeu acredita que, se não fosse a pandemia, algumas transformações demorariam mais para acontecer. Outras simplesmente nem aconteceriam.“Além da evolução tecnológica, tivemos alteração no modelo e no comportamento do consumidor, que só foi possível pela mudança na forma de pensar e na mudança das relações interpessoais”, finaliza.

Retrospectiva Inovações 2020

O head do boostLAB enumerou algumas inovações que se destacaram neste ano, impactando a rotina das empresas e das pessoas.

 

Relacionamento entre as pessoas e as empresas

As empresas serão muito mais abertas nas relações de trabalho e o home-office não será apenas mais uma opção. A tendência é que a volta ao trabalho presencial não seja feita de forma integral, tendo o funcionário a possibilidade de alternar dias no escritório com dias em casa.

 

Velocidade na troca de informações

As ferramentas de videoconferência foram incorporadas tão bem ao nosso dia a dia que precisaremos ter um motivo muito bom para voltarmos a pegar aquele trânsito caótico de antes da pandemia para irmos a alguma reunião.

 

Digitalização de serviços 

Hoje, por exemplo, é possível renovar a sua CNH sem precisar ir a um local físico ou fazer uma consulta médica remota através da telemedicina. Esses serviços serão cada vez mais frequentes e só evoluíram por conta da pandemia.  

 

Profissionalização das entregas

Pelo fato de as empresas serem obrigadas a investir muito mais na logística para aumentar suas vendas online, os produtos possuem uma previsibilidade de entrega muito melhor.