Startup usa tecnologia para ‘hospedar’ o seu pet em supermercados e shoppings enquanto você faz compras

Share:

A PetParker quer aproximar animais e humanos, permitindo que donos tenham a companhia de seus pets em tarefas do dia a dia


Empreendedor há mais de 10 anos em segmentos mais tradicionais do mercado, Georges Ebel viu a chance de arriscar-se no mundo pet apenas em 2018. O CEO e fundador da PetParker, conta que o empurrão necessário para a criação da startup partiu de uma necessidade pessoal. “Senti que precisava de mais tempo com os meus cachorros, e não podia levá-los comigo a lugar nenhum, pois não tinha como simplesmente deixá-los na rua”, diz.

Depois de um episódio inusitado que inclui a fuga dos dois bichinhos em uma loja que costumava frequentar, Ebel insistiu para que o gerente do estabelecimento permitisse a instalação de uma caixa onde pudesse deixar os cachorros enquanto fazia compras. Quando se deu conta, o objeto se tornou um patrimônio público. “O gerente me contou que outros clientes estavam usando a caixa, e me disse para deixar ali”, conta.

Com o passar do tempo, a ideia atraiu a atenção de algumas pessoas, que enviavam e-mails e faziam ligações questionando Ebel sobre a usabilidade e valores para a instalação de outras ‘caixas’. “Percebi que aquilo era uma demanda reprimida, as pessoas tinham vontade de passear mais com seus cachorros, mas não existia no mercado uma ferramenta que permitia isso”, diz.

Hoje, o modelo de negócio da PetParker consiste na instalação de pequenas casinhas inteligentes onde os cachorros podem ficar temporariamente hospedados enquanto seus donos fazem compras. Hoje, a rede da PetParker está presente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro em 40 endereços diferentes – sempre em pontos com grande circulação de pessoas, como restaurantes e supermercados.

As casinhas são de tamanhos variados, e para diferentes raças. Elas também têm um sistema de ventilação próprio e a temperatura pode ser controlada via app, por onde o dono acompanha informações em tempo real.

A PetParker nasceu em 2019, e em menos de um ano teve de encarar uma situação econômica inesperada. Segundo o empresário, a pandemia freou os planos de expansão da empresa. “Com as pessoas circulando menos nas ruas, tivemos sim uma queda”. No entanto, esse detalhe não ocasionou uma retração, afinal, a startup foca no B2B, sobretudo para grandes marcas varejistas. “O impacto negativo foi mínimo. Nosso principal alvo são varejistas do setor alimentício, algo que não foi muito afetado na pandemia”, diz.

Para o futuro, o empreendedor conta que um dos planos da startup é investir ainda mais em digitalização e na estruturação de uma plataforma digital robusta, com opção de venda de produtos e serviços. “Aproveitamos o momento atual para fazer a lição de casa. Trouxemos executivos qualificados para reforçar nosso time e ajudar no desenvolvimento de novos produtos”. O app trará, entre outras funcionalidades, a opção de reservar a casinha com antecedência, além da oferta de benefícios e descontos para produtos pets de marcas parceiras e descontos na prestação de serviços como banho e tosa e atendimento veterinário.

A previsão é também expandir para outros bairros e cidades, chegando a 9 mil pontos de venda em diferentes capitais do país. “Queremos ampliar para os shoppings, academias e outros espaços públicos, como parques, praças e avenidas com intensa circulação de pessoas. Já temos pilotos para a Avenida Paulista, Oscar Freire e Faria Lima”, explica. Com isso, a PetParker espera alcançar um faturamento entre R$10 e R$ 20 milhões em 2022.